quarta-feira, novembro 01, 2017

CÓDIGO PENAL OU A BONDADE BÍBLICA

                                                                   MOCA ATENTA


           

quarta-feira, outubro 25, 2017

CÓDIGO PENAL, A BÍBLIA E A MORTE


Portugal, com séculos de moldagens e sentenças religiosas ou aventuras culturais, tem por vezes entrado em colisão com diversos juizos retorcidos de cada tribunal, quer no plano dos direitos, que no espaço dos deveres. Tem havido juízes de valor e outros julgando através de retóricas fora da simetria do triângulo que integra a justiça.

Recentemente, perante o caso de uma mulher casada que cedeu aos apelos do adultério e que, posteriormente, foi espancada pelo marido com uma moca crivada de pregos, o juiz Neto de Moura, secundado pela colega Maria Luisa Arantes, redigiu, no Tribunal do Porto, o acordão de 11/10/2017, em termos hoje insustentáveis, como podemos avaliar pelo conteúdo no dito documento (Diário de Notícias | 24 de Outubro, 2017)

«O arguido, homem munido de uma moca dilacerante, foi condenado a um ano e três meses de prisão, pena suspensa na execução, por ter agredido a mulher com uma moca munida de pregos --  tendo em conta que esta teve uma relação extraconjugal.»
    
       Estou a citar páginas do Diário de Notícias e do texto intitulado "Cultura do Machismo na Justiça "
     São apontados vários acordãos em que o desembargador Neto Moura, do Tribunal da Relação do Porto, tem recorrido à desculpa da conduta de agressores domésticos, casos de agressão no quadro da violência doméstica.

                                              ASPECTOS do  ACORDÃO

      «Este caso está longe de ter a gravidade com que, geralmente, se apresentam os casos de maus tratos no quadro da violência doméstica. Por outro lado, a conduta do arguido ocorreu num contexto de adultério praticado pela assistente. Ora, o adultério da mulher é um gravíssimo atentado à honra e dignidade do homem.»
            «Sociedades existem em que a mulher adúltera é alvo de lapidação até à morte. Na Líbia, podemos ler que a mulher adúltera deve ser punida com a morte. Ainda não foi há muito tempo que a lei penal (Código Penal de 1888, artigo 372º) punia com uma pena pouco mais que simbólica o homem que, achando  sua mulher nesse acto a matasse.»
           «Com estas referências pretende-se, apenas, acentuar que o adultério da mulher é uma conduta que a sociedade sempre condena fortemente (e são as mulheres honestas as primeiras a estigmatizar as adúlteras) e por isso se vê com alguma compreensão a violência exercida pelo homem traído, vexado e humilhado pela mulher»
              «Foi a deslealdade e a imoralidade sexual da assistente que fez o arguido X cair em profunda depressão e foi nesse estado depressivo e toldado pela revolta que praticou o acto de agressão, como bem se considerou na sentença recorrida»

    
          O que se disse no "Diário de Notícias mais à frente, por Teresa Martinho Toldy sublinha que não é suposto o juiz fundamentar decisões com base na bíblia. Em boa verdade, no caso em referência, o que o juiz faz é legitimar a deia patriarcal de que o adultério é alguma coisa ligada à mulher, que é um ser pecaminoso. Nesta conformidade, que deveremos dizer aos assassinos cruéis do ilusório Estado Islâmico ou à cegueira sanguinária dos Talibãs, ensinando só as palavras de Alá às crianças, proibindo a música, o teatro e o cinema. Que farão essas pessoas a julgar, a ensinar, ou que intimidade consente no domínio privado à sua mulher de casamento. O mundo perde-se cada vez mais numa balbúrdia global, entre o fogo e as infinitas ondas que os tufões namoram, atirando o luxo da «honra humana» para as covas da peste por ela mesma produzida milénio a milénio.

Rocha de Sousa             

terça-feira, novembro 22, 2016

algumas declarações de ANTÓNIO BARRETO

                                                                         

algumas declarações de ANTÓNIO BARRETO
cientista social e cronista.
é meu intuito declarar aqui o grande apreço por esta personalidade,
intérprete da realidade portuguesa e dos valores nacionais e sociais
que nos desenham e explicam. Rocha de Sousa

perante o «desastre» da eleição de Trump nos EUA, linguagem corruptiva e de um excesso estranho, Barreto declarou que a habitual arrogância da esquerda produz em geral efeitos com aquele recorte.
esta frase, que me ocorreu tempo depois de a ler deve ser escrutinada sociológica e politicamente

OBSERVADOR: Afinal, Antóno Barreto é detentor de um percurso intelectual, o que remete certas declarações para um modelo de ambiguidade do pensamento  (ontológico).

            traduzido do inglês

sábado, outubro 29, 2016

AS PALAVRAS DO MINISTRO DAS FINANÇAS ALEMÃO

Não há palavras que possam comparar-se com aquelas que,mais uma vez o ministro das Finanças da Alemanha expeliu para as câmaras. Disse: «Dantes, Portugal fez um trabalho de excelente efeito, na gestão do país; agora vemo-nos confrontados com critérios de duvidoso resultado para 2016/17.
Como é que um governante desta notoriedade se atreve a dizer para as câmaras o que muito bem lhe  apetece, sem que os assuntos tenham sido abordados em comissão e partilha, equilibrando-se com os contextos e a história e a cultura do respectivo povo?

domingo, junho 26, 2016

A BREXIT MANIA ENTRE PERDA


Andava toda a gente a remoer as decisões  europeias e já a fina flor do Reino Unido lançava luz sobre uma certa promessa inicialmente feita pelo Primeiro Ministro: tratava-se do mais simples referendo atraavés do qual os nobres ingleses (todos) iriam dizer se queriam ou não  permanecer na União Europeia.
Houve forte ruído em torno disso, mas o Parlamento do Reino Unido lançava luz sobre a promessa inicialmente feita pelo Primeiro Ministro, David Cameron: o que parecia ao simples cidadão, e apesar dos apertos de Bruxelas, a questão não parecia assim tão simples, mais ou menos como a dentada na maçã. Há dentes que sangram após essa atitude natural.
Um só dia depois do referendo, documentado nas televisões como uma bela lição de civismo, incluindo esse facto patético de dois velhos terem morrido após o acto de votar. A grandeza desta tragédia. Pois sim: eles haviam ouvido os debates, gente rangendo da pior maneira contra outra gente, campanha absurda que certamente aterrorizou muita gente: os tais velhotes, pelo menos. É que, durante a votação e a contagem dos votos o imaginários dos velhos ainda vivos deve ter-se encantado com os cenários, os grandes espaços cobertos  de mesas lado a lado, rapazes e raparigas lado a lado,trabalhando os montes de papéis e outros, em fila indiana, passando as urnas brancas e pretas de mãos em mãos. Tais imagens abrandavam o nosso medo de estrangeiros e mostravam uma peça engendrada com requinte, como se no fim não houvesse senão um empate e um abraço entre todos.
Contra as bizarras sondagens ingleses (já se viu isso em eleições gerais), a contagem deu a vitória à saída da União Europeia, coisa que anda no ar desde as ofensas aos gregos em reuniões de trabalho.
Agora toda a gente, da esquerda à direita, anda por essa Europa fora a fazer ameaças de fazer também um referente: em Portugal, uma importante figura do Bloco de Esquerda gritou que faria um referendo se Bruxelas insistisse em manter sanções contra este país por décimas acima no déficit decretado.
Ora se este rapariga, enrouquecendo, fez esta ameaça de um cantinho partidário, bem se pode imaginar o que vão ser as negociações para consolidar a saída do Reino Unido, horas e horas de senhores cinzentos barafustando não tanto a saída mas a reconquista de um império já inexistente, ou seja, negócios
retomados noutra perspectiva, com mais liberdade e menos pressão burocrático. Talvez não passe de uma utopia mas os ingleses sabem tratar de si.
Pelo contrário, o que restará agora da Europa ou se revê num trato mais coeso e menos amarrado a regras cruzadas. Porque este espaço e 27 países não se pode tornar numa fortaleza medieval mas duríssima, flagelando a população no fundo das dos altos muros. Dentro, a polícia abre espaço aos carregadores de negócios, enquanto uma espécie de exército espreita as ruas contra os alucinados jihadistas que pululam, convertidos, por toda aparte e são bem capazes de se fazerem explodir no meio de uma praça, gritando Alá é Grande! Estão enganados com as oferendas (femininas) do céu para onde caminham os bocados das almas estilhaçadas. Todos eles já deviam ter aprendido a perceber que não há deuses bons e que oferecem afecto e mulheres meigas. Em todas as religiões a noção de pecado é maior ou menor mas mlenar, com ameaças de castigos sem nome. Todas são assim e o homem aprendeu a defender-se, não através do nem mas pela guerra e pelos genocídios.
A Europa desta ignóbil globalização que estragou meio mundo, devia refazer-se
com os seus parceiros, jogando pacificamente, sem choques, as bolas de um bilhar simbólico. As soberanias não são mitologias: são a história, a civilização e a cultura. Amarrá-las sobre o bilhar, sem liberdade e sem trocas amistosas, é apenas apressar o apocalipso.

sexta-feira, março 25, 2016

O MUNDO AGRILHOADO, MORRENDO EM FÚRIA


Não me lembro de ter assimilado uma ideia nobre, concertada, harmoniosa da multidão a que chamamos Humanidade, nunca a paz e a harmonia de que falam os artistas, os poetas, os ditadores da Antiguidade e da contemporaneidade. Havia sempre problemas à minha volta: anos difíceis da vida dos meus pais, gente a prender centenas de operários da indústria transformadora da cortiça, pessoas isoladas no campo, trabalhando de sol a sol, muitas vezes roubadas por ladrões ou simplesmente assassinadas por resistirem timidamente. Em Portugal vivia-se sob a tutela de Salazar, ditador guardado em São Bento, incapaz de pensar o futuro apesar do império feito de colónias mal tratadas, para onde ninguém imigrava a sério, como fizeram nos anos 60, portugueses deslumbrados com a aventura da casa, do dinheiro, de trabalhar para os senhores da Europa e do mundo, já esquecidos que haviam sabido atravessar os mares (quando era natural fazer isso e descobrir terras), quase no patamar da verdadeira grandeza, aquela que permite viver bem e partilhar razoavelmente as coisas. Nada disso, pequenos em quase tudo na sua terra inicial, os portugueses desataram a fugir em todas as direcções, para o mundo em volta, trabalhando como escravos ou chegando a patrões. Hoje são os licenciados que partem, depois de estudos arrancados a custo de escudos e pobres bolsas e remedeio: já acabara o Império mas subsistia a memória da história dessa gente afinal trabalhadora, que enchia bolsas de imigrantes de um lado ao outro do mundo, mesmo em plena época de novas guerras no Afeganistão, no Iraque, no Paquistão, na Argélia, no Irão, entre Islamitas, Muçulmanos, Iraquianos, Talibãs, Xiitas ou Sunitas, crentes de Alá e inimigos dos Cristãos, os das Cruzadas, senhores, durante séculos, de grandes áreas do mundo, partes do planeta com a Índia, norte, centro e sul de África, américas latinizadas, para não falar do Brasil explicado pelos portugueses e dos Estados Unidos da América, Estados e Estados a Norte, mistura de raças e interesses acerca de um tal El Dorado, submissão dos Índios.
De tudo isto, após séculos de Igreja católica apostólica romana, desaparecidas as não muito remotas civilizações da Grécia do Egipto, da Índia ou da China, desaparecidas como os Incas que falavam com o céu ou simplesmente transformadas pelo engenho tecnológico e demoníaco da genérica civilização ocidental, aquela que (mesmo em grande avanço) se envolveu com a Alemanha em duas guerras mundiais, sob o horror nazi e os campos de concentração e o holocausto, judeus presos e mortos ao que parece porque podiam competir com a «raça ariana», mito daquele cabo de guerra, Hitler, que teve de apagar corpo e alma com uma cápsula de cianeto.
Passaram várias décadas de aparente paz e desenvolvimento, a Alemanha e os tecnocratas da austeridade passaram a apertar uma já agrilhoada União Europeia. Por aqui todos tinham ajudado a criar um Estado mítico, Israel, senhor de si e dos outros, ensinando o mundo que, a partir de agora, com gente como o Daesh e os atentados de homens-bomba, uma academia do horror que nos obrigará a aprender a "viver com medo2. Diz ajuizadamente Clara Ferreira Alves na sua crónica de hoje: «Nos campos de refugiados, na degradação e na humilhação, novos radicalismos se formarão com outros nomes. A integração desta população de apátridas que só tem o Islão como pertença impossível.»



Temos aqui, de facto, um problema radical. Terrorismo Islâmico, que não brotou de nenhuma doença divina, começo nma rede de roubos, emboscadas, mistificações. Allah desceu furiosamente à Terra com a maior vontade de aplicar regras brutais, irracionais, aos homens que o amassem e que matassem em nome Dele, acedendo a um céu Total, com ofertas femininas virginais, símbolo aberto do que a mente obscura deles tornara, na terra, vítimas assimétricas das burcas, dos xailes, dos escondimentos, e de penas por pecados fundamentais. Sujeitas, em grandes áreas, ao corte do clitóris, podem vir a ser punidas, por adultério, com a morte à pedrada, na Praça Pública. Os guerreiros Jihadistas tratam os vencidos com a degolação, numa ritualidade difícil de encontrar nas épocas mais remotas. E o ESTADO Judaico ISRAEL, encravado numa zona que a Inglaterra e a França escolheram, imposta aos  palestiniamos, sabe esperar por tudo isto com as suas próprias guerras e o seu medo. Rompe compromissos, implanta Gaza, constrói muros, declara que nunca consentirá na instauração de um próximo Estado Palestiniano, embora esta gente seja dali e tenha o direito a trabalhar e a morrer ali, entre pedras, poeira e plantas secas.
A Turquia, candidata à Europa mas ainda não julgada apropriada pelos altíssimos deificados tecnocratas dos gabinetes neo-europeus, é contudo um país tampão (no caso dos refugiados vindos da Síria e outras terras lavradas a sangue). E então, a austera e mitigante Europa, sem pudor, cortejou a Turquia, pela sua especial posição geográfica para se encarregar de travar mais vagas de emigrição, deportando os despojados de injustificada ânsia. A Turquia aceitou receber para tais ensaios de novos holocaustos, empresa sórdida, a quantia de três mil milhões de euros, cuja vida e fortunas ninguém sabe onde irá parar.
Diz Clara Ferreira Alves. «Entretanto, a Grécia e a Itália sucumbem ao peso que a Europa atiçou ou malbaratou, as do Afeganistão e Iraque, da Líbia e Síria.» Obama, apesar da sua entrevista à revista ATLANTIC, lamentando o comportamento dos parceiros Cameron e Sarkozy, foi liminarmente ludibriado. E a Nato? E a ONU? Aqui, Clara escreve sumariamente: «O que é, hoje, o Oriente?» (...) «A que Médio Oriente do século XX ainda se dá existência? Esse Médio Oriente terminou ou foi terminado. Israel não é Israel. É hoje um Estado acossado e dominado politicamente por conservadores e zelotas, com um primeiro ministro que tem a certeza de que a Palestina nunca existirá.»
O Daesh talvez seja invencível. Vamos esperar, no medo, que a sua própria o eliminará. Haverá então outros refugiados, gente degradada, a humilhação formará novos imigrados e os Messias voltarão para mistificar o futuro e um deus novo, todo poderoso.
Rocha de Sousa

terça-feira, fevereiro 09, 2016

TUDO VAI MUDAR ANTES DA MORTE DO PLANETA


As grandes cidades, após milénios de fausto e negócios de batota, criando vícios de toda a espécie, escravatura, sequestro, violação de crianças e brutais roubos por todo o planeta, o dinheiro escondido por aqui e por ali, empresas mamutianas emigrando de latitude em latitude, besuntando de restos tudo o que sobrava das falências e dos retornos, tudo isso define agora uma coisa que se chamava planeta Terra e onde milhares de espécies viveram e vivem, comendo-se entre si. Os países estão em guerra, o Médio Oriente arde todos os dias e o Daesh corta cabeças, promove atentados pelo chamado mundo civilizado, quer invadr sobretudo a Europa, depois o mundo, enterrando cabeças degoladas e atirando os corpos para o meio do asfalto ou para o fogo dos desertos. Nada disto tem sentido, sob o comando das altas tecnologias, aviação sofisticada, vasos de guerra, Assad sempre empoleirado na sua fortaleza, Putin afagando-o, Czar moderno que faz luta-livre e passa por altas portas douradas, além da datcha que não mostra e dos barcos  em que passeia. Bush não foi preso pela guerra que mentirosamente justificou com estranhas bombas atómicas que nunca ninguem viu. Hussein foi enforcado. O Iraque ficou orfão, com lutas inenarráveis entre xiitas e sunitas, além das outras etnias que colam aos jihadistas. Um dia chegarão todos a toda a Europa, que já começaram a invadir, preferindo a poderosa Alemanha, e lutanto numa praça de Colónia, aproveitando raparigas para esbofetear e violar. A grandeza da Alemanha estremece, é preciso repovoar o mundo com mais senso. Mas antes, com esta gente a atravessar o Mediterrâneo, é preciso  obter direitos germânicos, ter bom tratamento, casa, segurança social. Porquê? Nada disto vale a pena porque faltam cem anos para um meio afogamento do mundo inteiro. Xiitas e Sunitas terão de combater debaixo de água, mesmo com guelras de abrótea.


Eu nunca pensei fugir de Portugal, emigrar, ser rico na Suiça. Estive numa guerra que houve em Angola, era a guerra de libertação em nome da independência. Desisti, estou velho, as velhas casas caiem aos bocados produzindo belas «instalações». Os cargueiros dão à costa, mortos suspensos das amuradas. E a marinha de guerra varre o Mediterrâneo em paz, salvando meninos, meninas e velhos. As mulheres que se desenrrasquem com as suas burcas e as bóias ao pescoço. Mas a Alemanha, que gostaria de ter tomado enfim toda a Europa, tem de a partilhar com 11 milhões de foragidos e meia dúzia de califados.

                                      

Portugal,o mais antigo reino da Europa, fechou as praias e recebeu os cadáveres de ferro, além de corpos humanos sem fim. Mudou de Governo e a Comissão de Bruxelas não gostou. Todos os bichos das bolsas e dos mercados rangeram os dentes. Costa, o primeiro ministro português, cortou parte do seu orçamento e ofereceu molduras douradas ao Bloco de Esquerda. O PC perdeu votos, entrou para o apoio ao governo (a fingir, mais ou menos) e fala do alto de uma torre (Jerónimo) contra os capitalistas, os blocos de riqueza, as novas teorias da austeridade. Costa quer resgatar cortes. Viu-se logo batido por todos os lados, ainda por cima rodeado de bancos roubados ou em perda.
            A Europa, que em breve vai ser abocanhada pelos Árabes e Estado Islâmico, insiste nas regras. Nada de consumos, de compras, de déficits. Agora é como dizia Lutero, retirando os bonecos religiosos das paredes das capelas. Reuniões duram meses, semanas, o Costa vai ter que raspar as gorduras com as quais pretendia rejuvenescer Portugal, dando-lhe banhos de mar ao sol do Verão. Mal sabe ele que as praias vao desaparecer e que os donos do Norte da Europa, invadidos pelos gelos derretidos, terão de emigrar para o sul, lado a lado com pigs, ali por Marselha ou, se calhar, pendurados dos multibancos da Grécia. E todos os sistemas do Centro, Esquerda e direita, vão desaparecer no regime enviezado (com z), que tem a vantagem de riscar o espaço na oblíqua e misturar ricos e pobres, na grande partilha das belas casas com as favelas importadas do Brasil. 
          A Inglaterra, poderosa, terá à vista os telhados dos casinhotos revivalistas e os lords vão procurar asilo na Escócia, subida com uma hidráulica famosa, toda feita na clandestinidade. Portugal apresenta rachas junto a Espanha. Há quem diga que o enorme espírito de Saramago, saneador por excelência e Nobel  por mérito de carpintaria está de picareta astral em punho dando corpo à Jangada de Pedra. Os Açores insistem que devem colar-se ao Algarve, em Pleno Atlântico e que o Panteão pode passar para Madeira, bem fixa ao fundo e capaz de ser regida por 30 ou 40 anos de cada vez.
               A jangada tem uma vantagem: turismo livre e liberdade frente à congeladora Europa, seus tratados absurdos e seus orçamentos de pedra. Ninguém aí sobreviverá sem abelhas nem galinhas. Peixes fogem, o trigo será por cotas miseráveis. Muitos russos emigrarão para a antiga República Alemã Oriental. Entretanto acabará o futebol, os jogadores utilizados para fabricar pão (em contas) e os iates serão vendidos, dois a dois à Suiça, últimos ricos, ficando o resto a pagar taxas para a Segurança Social. Nas Igrejas serão produzidas mantas para suprir a hipotermia que se torna endémica cada vez mais. Todos os ditadores de África vão ser presos e fuzilados em jeito dominó. Todas as cidades com mais de vinte andares de cimento armado, serão reduzidas a dez andares (até r/c, além de replicadas em zonas mais ou menos equidistantes por esses campos fora. Nunca mais poderá haver um velho habitante solitário de uma solitária aldeia.
Sousa Carneiro lendo Rocha de Sousa